Skip to main content
Sierra de Béjar y Candelario

Sierra de Béjar y Candelario

Serra de Béjar e Candelario

Este município representa o teto da geografia salmantina. De facto, durante quase todo o ano, é frequente observar as planícies dos seus cumes nevados na única paisagem glaciar da província de Salamanca. Esta natureza privilegiada permitiu que fosse declarada, juntamente com a Serra de França, Reserva da Biosfera pela UNESCO.

A Serra de Béjar faz parte do Sistema Central, cordilheira situada no centro da península ibérica. O Canchal de la Ceja e el Calvitero, com mais de 2.400 metros nos cumes, são os picos mais altos deste conjunto montanhoso.

Béjar, Candelario e Montemayor del Río, declarados conjuntos históricos, são três dos municípios mais singulares de uma comarca na qual vale a pena desfrutar da sua geografia, história, tradição e cultura.

Interessa-te

Esquiar em La Covatilla: Sensações brancas

Se procura sensações brancas, pode encontrá-las em Salamanca na estação de esqui Serra de Béjar-La Covatilla, a 80 quilómetros da capital, nas imediações de Béjar e Candelario.

Festival de blues de Béjar

Historicamente reconhecida pela qualidade dos seus panos, e atualmente como conjunto histórico e centro turístico da serra, Béjar integrou-se igualmente no  palco cultural nacional.

A Serra de Candelario. Cristas e circos glaciários

Esta zona do Sistema Central salmantino tem mais de 10.000 hectares de terreno montanhoso, com cumes que superam os 2.400 metros de altitude. Cristas montanhosas, vales e circos glaciários pelos quais descendem correntes de água.

Nossos Concelhos

Béjar

Béjar

A cidade de Béjar, declarada Conjunto Histórico, relembra o seu passado medieval com a muralha defensiva e a arraigada tradição dos Homens de Musgo.

Candelario

Candelario

As condições climáticas e culturais do município deram origem a uma arquitetura popular muito peculiar que encontra a sua máxima expressão no declarado Conjunto Histórico de Candelario.

Montemayor del Río

Montemayor del Río

A sua situação estratégica, ao lado das principais vias de comunicação –a Calçada e a Canhada pecuária da Via da Prata– fez desta vila a guardiã da passagem entre os reinos de Castela e Leão com a

Museus

O Museu da Casa Chacineira

Este peculiar museu etnográfico está localizado na antiga casa chacineira dos inícios do século XX. Baseia-se na charcutaria, a principal atividade económica da localidade que lhe conferiu particular fama nos séculos XVIII e XIX.

O Museu Judaico David Melul

Um engenheiro de Melilla apaixonado por Béjar, David Melul, foi o primeiro benfeitor e promotor deste museu que pretende prestar homenagem aos judeus espanhóis, os sefarditas. 

Museu de escultura Mateo Hernández

Inaugurado em 1980, este museu está localizado na antiga igreja de São Gil, cuja abside é atualmente uma sala de exposições temporárias.